Textos


                       Sempre
                                                 Carlos Orlando

Sempre de nos dois, haverá de fluir encanto.
Mesmo os ínfimos, desde os primos abraços
Desmedidos pois, incessantes, no entanto.
Eternos, o são, resíduos de nossos laços

Sempre haverá, de ti, uma saudade infinita
Do teu perfume, do hálito e da tua saliva;
O pulsar de tuas veias, a lembrança excita,
Da tua boca, o beijo, a língua a deriva.

Sempre haverá um ninho doce, a espera,
De nós dois, ímpetos consumados ao calor.
Em mim, o alado corcel a mercê de uma fera

Que espreita, ao faro do nectar, que lhe dera.
Descrever-te, seria, assim, o vislumbre do furor.
Em ti, a felina, entretanto ao cio, doce pantera.



Macapá-AP, 02/08/06 ÀS 18:50
Carlos Orlando
Enviado por Carlos Orlando em 16/08/2006
Alterado em 31/10/2016


Comentários